Google+ Followers

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Derrota da Sociedade Civil!

Crime Ambiental da administração afeta nascente do Ribeirão Cafezal. 
Desenvolvimento sem qualidade de vida é sinônimo de ignorância! Sem respeito à Lei e ao Meio Ambiente veremos o império do caos! Perdemos o status de cidade pacata, pacífica e acolhedora. Infelizmente, vivemos um processo de explosão urbana que avança sobre nascentes e mananciais de maneira cruel e implacável! Tal diretriz governamental equivocada resultará na favelização futura de Rolândia. A consequência será o agravamento de vários problemas sociais. Na última terça (24), em reunião do COMDEMA, a Sociedade Civil Organizada foi derrotada pelo rolo compressor da atual administração: Cerca de 800 pessoas serão assentadas no fundo do Jardim Itália; O Projeto não contempla Áreas Verdes, Praças e Canchas Esportivas para atender as necessidades básicas de uma população cada vez maior! A Lei do Sistema Viário e o Código Ambiental estão sendo ignorados; A Faixa de Preservação de nascentes foi reduzida de 70 para apenas 50 metros. Trata-se de um terreno acidentado, com níveis inferiores de salubridade e segurança; O loteamento também não observou  o percentual mínimo de Reserva Legal previsto em nosso Plano Diretor (Lei Complementar nº 15/2006, Art. 3º). A legitimidade da votação é duvidosa: A maioria dos votos contra à Lei foi de pessoas com cargos comissionados ou funções gratificadas na administração! Os votos a favor da Legalidade e Qualidade de Vida foram dos representantes de entidades da Sociedade Civil! Com efeito, urge renovar o COMDEMA - reduzindo o poder da administração e ampliando a participação da Comunidade - seguindo o exemplo de Londrina e Maringá!

3 comentários:

  1. Palavras de AUDINIL MARINGONDA JÚNIOR sobre os recentes acontecimentos:

    Não sou de expressar minha opinião politica, mas depois do que aconteceu ontem na reunião do COMDEMA não posso deixar de opinar.

    Foi aprovado por 11 votos a 06 a liberação de um residencial (182 casas) que prevê a redução da área de preservação de 70m, como manda o Plano Diretor, para 50m em função de uma adequação em virtude de uma mina que não foi observada no projeto inicial.

    O que me deixa mais preocupado é que este loteamento está localizado na Bacia do Ribeirão Cafezal e bem próximo ao ribeirão. Para quem não sabe este Ribeirão Cafezal é um dos mananciais de abastecimento de Londrina e Cambé e num futuro também possa a vir ser de Rolândia. De inicio não será feita a rede de esgoto portanto será fossas, espero que seja no mínimo fossas septicas e não fossas negras e que por ventura possa a vir contaminar o manancial.

    Outro ponto levantado na reunião é que no local a infraestrutura existente (escola, creche, etc.) já está quase em sua capacidade máxima e um residencial desses deverá ter aproximadamente 800 pessoas.

    E o ultimo ponto, esta redução proposta foi feita com base em uma lei complementar que deve ser revista pois não passou nos tramites legais e no meu ponto de vista está inconstitucional.

    Gostaria de deixar bem claro que não sou contra a administração, contra os conselheiros que votaram a favor a final estamos em uma democracia e a decisão da maioria deve ser respeitada e eu respeito a decisão.

    Mas o que me deixa mais triste é que num tempo onde falamos tanto em sustentabilidade, preservação da água, fundo de vales, ainda deixamos os interesses economicos, sociais e politicos passarem por cima do ambiental não prevalecendo o equilibrio que deve existir e garantindo a sustentabilidade que é garantir o desenvolvimento da atual geração sem comprometer as gerações futuras.

    Audinil Maringonda Júnior é Engenheiro Civil e Secretário do COMDEMA - Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Rolândia (via Facebook).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente muitos pensam no momento, e se esquecem de olhar lá na frente, pagaremos um preço por desreipeitar a natureza.

      Excluir