Google+ Followers

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Devemos temer Bolsonaro?



  Chegamos ao período eleitoral. As candidaturas estão colocadas e fatos surreais já estão acontecendo: Pelo PT/PCdoB temos um presidiário candidato a presidente. As três principais frentes socialistas flertam descaradamente com o totalitarismo. Apoiam ditadores sanguinários como Maduro e genocidas como Lênin, Stálin e Mao. Mas, acredite: o radical é o Bolsonaro!

  A esquerda defende com unhas e dentes o populismo e a irresponsabilidade fiscal. O donatário da capitania hereditária do Ceará, por exemplo, teve a cara de pau de prometer “tirar todo mundo do SPC/SERASA” e pagar a dívida pública com um golpe de caneta. Mas, acreditem: o populista é o Bolsonaro!

  O invasor de propriedade privada do PSOL (juntamente com o presidiário e o cangaCiro) odeiam a classe média, combatem a moral cristã, defendem o aborto, a legalização das drogas, o fim da Polícia Militar, o aumento de impostos, a regulamentação da mídia, os criminosos como vítimas da sociedade, a ideologia de gênero, o aumento dos gastos públicos, o fundão eleitoral e outras bizarrices do gênero... Mas, acreditem: Cuidado com o Bolsonaro!

domingo, 12 de agosto de 2018

Artes Liberais e Maçonaria: O Quadrivium!



QUADRIVIUM: O ESTUDO DOS NÚMEROS!

 Etimologicamente, Quadrivium significa cruzamento de quatro caminhos (quadri, quatro; vium, caminho)Na Antiga Grécia, foi atribuído ao matemático pitagórico Arquitas de Tarento (428 – 347 a.C) a divisão da Matemática em quatro ramos, a saber:  Aritmética – ou ciência dos números em repouso; Música – ou arte dos números em movimento, podendo ser considerada como aplicação prática da aritmética; Geometria – ou ciência das grandezas em repouso, relacionadas a teoria do espaço; Astronomia – ou estudo das grandezas em movimento, uma aplicação prática da Geometria.
    Para Boécio (489 – 524 d.C) “se o investigador carece desses quatro ramos não poderá encontrar o que é verdadeiro e sem essa especulação da verdade nada pode ser retamente conhecido”. A afirmação de Boécio sugere a utilização do Quadrivium na busca da verdade, através do raciocínio abstrato e interpretação simbólica dos números.
      Essa mesma ideia é vista em Isidoro de Sevilha (560 – 636 d.C.) quando o mesmo divide a Filosofia em “especulativa” e “prática”, onde a primeira “eleva-nos acima do visível tornando possível contemplarmos as coisas divinas e celestiais, as quais só podem ser apreciadas com a mente, pois está acima do corpo”. O Quadrivium seria, portanto, o melhor meio de compreender a ordem do Universo, enquanto obra primorosa concebida pelo Grande Arquiteto.´
     Sabemos que o Universo é repleto de simetrias. Na Matemática há, de modo geral, dois tipos de simetrias: as simetrias geométricas e as numéricas. O Judaísmo (alicerce teológico do monoteísmo Ocidental) está em sintonia com este entendimento desde suas origens. Em hebraico, cada letra possui um valor numérico e simbólico. Neste sentido, a Torah é um Código Numérico (representativo do DNA da Criação) cujo estudo é um dos objetivos da Kabbalah. Neste ponto, pitagóricos e judeus concordam: Tudo é número!
    ARITMÉTICA: é o ramo mais elementar da Matemática, ocupando-se do estudo das operações numéricas: soma, subtração, multiplicação, divisão, etc. Etimologicamente, a palavra aritmética se originou a partir do grego arithmētik, que pode ser traduzido como "ciência dos números".
     Historiadores acreditam que a Humanidade começou a contar objetos há dez mil anos. O estudo das estruturas matemáticas começa com os números naturais e segue com extração de raízes quadradas, cúbicas, equações polinomiais, trigonometria, frações entre outros.  Para o Companheiro é uma Ciência fundamental seja enquanto chefe de família, empresário, consumidor ou mesmo como membro da Ordem Maçônica.
   Além da destacada importância para o sucesso de nossa existência material, a Aritmética possui grande valor iniciático, vez que possibilita ao Maçom uma compreensão mais profunda da Harmonia Universal.
    MÚSICA:  Desde as eras mais longínquas o homem produz sons. Esses sons, numa sequência melódica, originam a música. Todos os povos antigos, sem exceções, emprestaram a música um papel relevante nas celebrações religiosas, cívicas, bélicas, dentre outras. Para a Escola Pitagórica era um sinal da harmonia do Cosmos e via para alcançar o equilíbrio interno. Os pitagóricos foram os primeiros a fundamentá-la cientificamente. Consideravam, com acerto, que a música tinha uma aritmética escondida. 
   Estudos revelam que a Música Clássica (p. ex.) favorece a saúde, a concentração e eliminam padrões negativos de pensamento. De modo contrário, ritmos agressivos (como o hip hop e o funk carioca) produzem inquietação, desconforto, distúrbios psicológicos, agressividade e danos à saúde. 
      O Companheiro Maçom deve ter ciência que nosso organismo possui uma freqüência que rege os átomos e órgãos. Esta freqüência é influenciada pelas ondas sonoras e ritmos que ouvimos. Assim sendo, a Música que escutamos pode harmonizar nosso corpo ou causar um choque nocivo, desequilibrando o organismo. Conforme explica Camino (p. 132) a boa música é um elemento que conduz por caminho natural e suave à meditação. 
   GEOMETRIA: O Rito Francês praticado pelas Oficinas do Grande Oriente do Paraná define Geometria como “ciência que estuda o espaço e as estruturas” (p. 43), “fundamento da Ciência Positiva” (p. 77) e “Arte Liberal por excelência empregada por nossos honoráveis antepassados operativos. A Geometria é sinônimo de Maçonaria, pois governa os Fundamentos do Universo” (p. 60). Tal fato é corroborado pelo Poema Régius (antigo manuscrito da Maçonaria Operativa datado de 1.390 d.C). 
   Originalmente a letra ‘G’ significava apenas Geometria, a Arte Sagrada. Os demais significados só foram acrescidos no século XVIII. Diz o Ritual (p. 77): “Sem ela (Geometria) o Espírito do homem perder-se-ia em vãs filosofias”.
        A Geometria também é considerada a Ciência do Trabalho, pois ensina o homem a medir todas as coisas existentes no Universo. Para Camino (p. 251) “os Maçons faziam da Geometria seu principal objeto de estudo, porque cada detalhe da Obra deveria obedecer às proporções observadas na Natureza, fonte primordial de toda inspiração”. Não há um único símbolo Maçônico (seja uma coluna, triângulo ou avental) ou obra humana (seja um transistor, catedral ou cidade) que dispense o traçado geométrico para sua criação e funcionalidade.
   ASTRONOMIA: é a ciência natural que estuda os corpos e fenômenos extra planetários. Preocupa-se com a evolução, a física, a química e o movimento dos objetos celestes e o funcionamento do Universo. Já a Astrologia (pseudociência), preocupa-se com supostas influências da posição dos Astros sobre assuntos relacionados à vida e à personalidade humana.
     Assim falou Hermes Trimegisto (2.700 a.C): "Sob as aparências de Universo, de Tempo, de Espaço e de Mobilidade está encoberta a Realidade Substancial – a Verdade Fundamental.” Com efeito, em Maçonaria, a importância da Astronomia está materializada na abóbada celeste, na presença do Sol, Lua e Estrelas nos Templos e Painéis de Grau, nas alegorias relativas à movimentação anual e diária do Sol (solstícios e equinócios; meio-dia e meia-noite), na relação simbólica dos Planetas com as Luzes, dentre outras. Também nos recorda que o Templo onde tem curso os Trabalhos Maçônicos é o Universo: a derradeira fronteira da Humanidade!
      Conforme ficou evidenciado no presente trabalho, as Ciências do Quadrivium não constituem, apenas, o orgulho de uma Arquitetura do passado. Seu valor também não pode ser mensurado por seu peso em ouro, mas sim, como ferramentas de Trabalho fundamentais na busca de um resultado proveitoso: Elas nos vêm do passado e tendem para o futuro; Elas compelem nossa Alma a olhar mais longe! 
  
REFERÊNCIAS: 

ARLS JEAN SIBELIUS, Grande Oriente do Paraná: Apostila de Instrução do Grau de Companheiro; Rito Francês Moderno. Londrina, 2015.
ARTE REAL: Trabalhos Maçônicos. https://focoartereal.blogspot.com/2015/09/a-maconaria-e-as-sete-artesliberais-e.html, acesso em 23/07/2018.
CAMINO, Rizzardo da. Simbolismo do Segundo Grau ‘Companheiro’. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Aurora, 1976.
CESA, Luciano. Os benefícios da música clássica; O que você precisa saber sobre música nociva. http://www.grandefraternidadebranca.com.br/musica_classica.htm.
D´ELIA Júnior, Raymundo. Maçonaria, 50 Instruções de Companheiro. São Paulo: Madras, 2017.
GRANDE ORIENTE DO PARANÁ: Ritual do Companheiro Maçom. Tradução do Ritual “Cahier Du Grade de Compagnon au Rite Français”, 2012. Curitiba, 2016.
KAPHAN, Arieh. Sêfer Ietzirá – O Livro da Criação: Teoria e prática. Tradução de Erwin Von-Rommel Vianna Pamplona. São Paulo: Editora Sêfer, 2002.
MATEMÁTICA 7 Perspectivas: Quadrivium. Helena de Fátima Sousa Melo. Universidade dos Açores, 2016.
MARTINEAU J. (Org) (2014). Quadrivium, As Quatro Artes Liberais Clássicas Da Aritmética, Da Geometria, Da Música E Da Cosmologia. Tradução Jussara Trindade de Almeida – São Paulo. É Realizações.
METAÉTICA: Filosofia pura e Simples. Artes Liberais: Trivuim e Quadrivium. https://metaeticasite.wordpress.com/2017/06/12/artes-liberais-trivium-e-oquadrivium acesso acesso em 18/07/2018.
MOSHE, Luis Genaro Fígoli. Simbologia dos números. http://espacodomacom.blogspot.com/2008/09/simbologia-dos-nmeros.html acesso em 03/08/2018.
PRESTUPA, Juarez de Fausto. Astrologia ou Astronomia? https://opontodentrodocirculo.wordpress.com/2015/06/18/astronomia-ou-astrologia acesso em 07/08/2018.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Artes Liberais e Maçonaria: O Trivium!

                 
 O estudo das Artes Liberais é fundamental para a compreensão do Grau de Companheiro no Rito Francês de Referência. Esta terminologia define uma metodologia de ensino, organizada na Idade Média, cujo conceito foi herdado da antiguidade clássica. Referem-se aos ofícios, disciplinas acadêmicas ou profissões desempenhadas pelos homens livres. Eram compostas pelo Trivium (lógica, gramática e retórica) e pelo Quadrivium (aritmética, música, geometria e astronomia). As Artes Liberais eram opostas às Artes Mecânicas, consideradas próprias aos servos.
  O Trivium concentra o estudo das três primeiras Artes relacionadas à mente e à Linguagem. Já o Quadrivium engloba o ensino por meio de quatro ferramentas relacionadas à matéria e à quantidade. O Trivium e o Quadrivium eram a porta de entrada para o ensino superior que, naquela época, tinha como as principais formações: Medicina, Direito e Teologia.
  Na antiguidade clássica, Aristóteles definiu as Artes Liberais como “a capacidade de produzir com raciocínio reto”. Assim sendo, o domínio das sete artes liberais tornaria o homem capaz de produzir obras e idéias com poder de elevar o espírito humano para além das trevas da ignorância e da superstição, rumo a um entendimento livre e racional da verdade. 
 A linguagem é o que nos distingue dos animais. O que nos faz  racionais é a linguagem e a razão. Para os gregos “linguagem”, “razão”, “pensamento”, “palavra” e “verbo” tinham um só nome: Logos. Neste sentido, o Trivium é a Arte do Logos, ou seja, a ciência da palavra escrita, falada e pensada.
 Para Rizzardo da Camino (Simbolismo do Segundo Grau, p. 111) “a comunicação é a razão do viver. O homem isolado, encarcerado, aproxima-se muito do ser inanimado”. A ausência da capacidade de comunicação seria, portanto, para Camino “a definição da morte, de uma vida vegetativa”.
 O Trivium é composto por três ciências relacionadas a comunicação: Gramática, Retórica e Lógica. Cada uma delas está relacionada a um aspecto do Logos e desenvolvem um aspecto correspondente em nossa mente.
 Para Alcuíno de York, o Trivium é um método de compreensão que se vale da leitura e do entendimento dos textos e do espírito humano. Seu objetivo prático é ensinar a pensar bem, ler bem, escrever bem e falar bem. Para o Companheiro, o Trivium é uma ferramenta fundamental para o aprimoramento moral e intelectual durante todas as etapas da Jornada Maçônica.
  Etmologicamente, a palavra Gramática se origina do grego, Grammar que significa “letra”. Literatura, por sua vez, se origina do latim, litera também significando “letra”. Ambas, portanto, significam a “Arte das Letras”.
  No Trivium, o estudo da gramática envolve a literatura, ou seja: o que se faz com as letras em prol da comunicação. O enfoque não reside nas regras gramaticais que é pressuposto da Literatura. Logo, o Companheiro deve empregar a Gramática para produção literária, para a análise e estudo.
  Assim sendo, podemos definir a gramática como o uso adequado das letras com o objetivo de falar e entender bem, escrever e ler bem. Percebe-se que a interpretação (arte da exegese) é a base da gramática. Em resumo: Todo conhecimento se inicia na gramática, ela é a fundação do Trivium! 
  A retórica é a arte de discursar bem e escrever bem, afinal um bom discurso pode ser escrito. O objetivo da retórica é a persuasão. Para Raymundo D´Elia Júnior (Cinquenta Instruções de Companheiro, p. 139) a retórica é arte consequente da Gramática que, somada à Lógica, fornece as bases para que todo Maçom possa se tornar um bom Orador.
  Para Rizzardo da Camino (p. 123) o Orador e o Poeta não podem ser fabricados. Entretanto, a dedicação ao estudo e à prática suprem a ausência do dom. Neste sentido, as Lojas Maçônicas são autênticas “Oficinas de Retórica”.
   Em linhas gerais, na Gramática, há uma ênfase na comunicação dos significados do que é transmitido. Na retórica a preocupação é com a transmissão do conteúdo de maneira eficiente e persuasiva. Neste sentido o estilo, a forma e o tom passam a ter importância como linguagem discursiva com o objetivo de despertar emoção e convicção no interlocutor.    
  A Lógica (ou Dialética) é a arte de expor, dissertar, depurar e restringir significados para que o entendimento entre autor/orador e leitor/ouvinte seja dado de forma exata e rigorosa. Pode ser definida como a arte de teorizar.
 Para Rizzardo da Camino (p. 125) “um raciocínio lógico não é ação de qualquer pessoa; as conclusões da razão devem porvir de uma mente treinada e reflexiva (...) A Lógica sustenta as Leis da Filosofia e juntamente com a Gramática e a Retórica dão formação a personalidade do Companheiro.
  Tanto a Retórica quanto a Lógica são formas de discurso, de operar a linguagem de diversas formas. Tais diferenças são explicitadas por Alcuíno de York: “A dialética está para a retórica assim como, na mão, o punho fechado está para a palma aberta. Aquela conclui os argumentos numa breve oração; esta pelos campos da eloquência discorre com um verbo. Aquela contrai o discurso; esta o distende. A dialética é mais aguda no descobrimento da matéria; a retórica é mais eloquente para falar o que foi descoberto; aquela visa às pessoas estudiosas; essa frequentemente é dirigida ao povo.
 Como visto, a prática e o aprimoramento das artes integrantes do Trivium é tarefa para toda a vida Maçônica. Elas são ferramentas imprescindíveis em nossa condição de construtores sociais e adversários de todas as formas de obscurantismo, fanatismo, ignorância e totalitarismo. 

REFERÊNCIAS:

ARLS LIBERDADE E AMOR nº 0828. Maçonaria e Geometria. https://liberdadeeamorcassia.mvu.com.br/site/maconaria-e-a-geometria/DqxkTTrSokA-3/nta.aspx, acesso em 23/07/2018.
ARTE REAL: Trabalhos Maçônicos. https://focoartereal.blogspot.com/2015/09/a-maconaria-e-as-sete-artes-liberais-e.html, acesso em 23/07/2018.
DA CAMINO, Rizzardo. Simbolismo do Segundo Grau ‘Companheiro’. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Aurora, 1976.
D´ELIA Júnior, Raymundo. Maçonaria, 50 Instruções de Companheiro. São Paulo: Madras, 2017.
ESCOLA DE ARTES LIBERAIS: http://escoladeartesliberais.com.br/trivium-arte-da-palavra - Trivium: A Arte da Palavra de Thiago Brum Teixeira. Acesso em 20/07/ 2018.
GRANDE ORIENTE DO PARANÁ: Ritual do Companheiro Maçom. Tradução do Ritual “Cahier Du Grade de Compagnon au Rite Français”, 2012. Curitiba, 2016.
JOSEPH, Miriam. - O Trivium - As Artes Liberais da Lógica, Gramática e Retórica. Tradução de Henrique Paul Dmyterko. São Paulo: É Realizações, 2008.
METAÉTICA: Filosofia pura e Simples. Artes Liberais: Trivuim e Quadrivium. https://metaeticasite.wordpress.com/2017/06/12/artes-liberais-trivium-e-o-quadrivium acesso em 19/07/2018, acesso em 18/07/2018.