Google+ Followers

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Testemunho de um tabagista...


Comecei a fumar cedo. Aos doze anos já fumava cachimbo com a pernambucana "filinha" (de saudosa memória) em casa de minha avó. Aos dezesseis anos já era um tabagista crônico. Foram vinte anos de paixão e ódio. Fumei centenas de marcas de cigarro, cigarrilhas, tabacos  para cachimbo, fumo de corda, de mascar, etc... Fumei quantidades imensuráveis de tabaco em todos os eventos, lugares e situações imagináveis. Faz um dia que estou sem fumar. Como em outras vezes, não tomei remédio. Iniciei meu dia saboreando meu chimarrão. Trabalhei normalmente. Reafirmo: Parar de fumar não é difícil; Mais difícil é voltar a fumar. Comigo sempre foi assim. Em outras oportunidades, permaneci meses distante do tabaco. O primeiro trago após a abstinência não é dado sem uma penosa batalha interior. Dar este passo é difícil e amargo... Retomar plenamente o tabagismo é um processo físico, mental e espiritual doloroso que espero não vivenciar novamente... Alea jacta est! 

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Desvios cíclicos do socialismo...

Imre Kertész: Nobel de Literatura, 2002. 

Extremamente reprováveis as agressões promovidas por alguns militantes de esquerda contra a blogueira cubana Yoani Sánchez. Tais demonstrações de ódio e intolerância nos levam a crer que, caso alcançado o poder absoluto, este tipo de gente repetirá todos os crimes praticados em nome do socialismo através dos tempos. Recordemos alguns trágicos exemplos totalitários: Em nome do nacional socialismo dos trabalhadores, propriedades foram expropriadas e um povo foi sumariamente assassinado na Alemanha; Outros milhões perderam suas vidas em campos de concentração soviéticos, na revolução cultural chinesa, nos paredões de Cuba, etc, etc. Tais excessos foram retratados por incontáveis relatos, documentários, filmes e obras literárias como as do escritor húngaro Imre Kertész. Em seu título 'Eu, um outro', p. 11, 145 e 146, o Nobel de Literatura escreveu: "Está chovendo. Antigos líderes partidários fazem declarações na televisão. "Acreditavam" no partido. "Acreditavam" que houve "enganos", "erros", mas "acreditavam", por exemplo, que Stálin "não sabia" de nada, etc. Mas não se deve acreditar que eles não haviam confundido esses chavões com seu conteúdo verdadeiro, aquilo que chamavam de "crenças", com pensamentos e sentimentos verdadeiros. Conclusão: essas pessoas apostaram sua vida no mau uso da língua. Não é só isso, elevaram esse uso errado da língua a um consenso. Após sua partida deixaram atrás de si as vítimas do mal uso da língua e agora necessitam urgentemente de socorro moral, como se as palavras desvalorizadas por este mau uso, tal qual farrapos de papel que se desfazem, repentinamente pusessem à mostra suas feridas morais (...) Não se trata de esquecer uma época (socialismo real), como uma espécie de pesadelo: uma vez que este pesadelo eram eles próprios (líderes partidários). E, na verdade, ninguém ponderou se é possível viver após uma longa morte... Para a pergunta imbecil  se "você vê alguma diferença entre fascismo e comunismo", poder-se-ia dar esta resposta curta: o comunismo é utopia, o fascismo é a prática. O movimento partidário e o poder transformam o comunismo em prática fascista." Pesadelo latente!

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Democracia das bananas?


Um grupo de manifestantes fechou a pista da Avenida Paulista neste sábado de carnaval em protesto contra a eleição do senador Renan Calheiros (PMDB) para a presidência do Senado. O protesto foi marcado pelo grupo "Quero o fim da corrupção". Várias imagens do ato foram divulgadas pela rede. Na marcha não haviam quaisquer bandeiras das centrais sindicais, UNE ou dos tradicionais partidos de esquerda. Identicamente, os partidos de "oposição" não marcaram presença no ato. No Brasil, o fisiologismo e as estratégias de curto prazo se sobrepõem à lógica de oposição e independência. Praticamente todos os partidos estão negociando as suas posições com o governo federal e nisto inclui-se a mesa diretora da Câmara e do Senado. Semelhante cenário, infelizmente, é a realidade na maioria dos Estados e Municípios do País e Rolândia não foge à regra! A tênue e infantil democracia brasileira se mantém devido a relativa independência da Mídia, Poder Judiciário e Ministério Público...   

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Procuradoria de Justiça pede cassação de Joni!


O Recurso Contra a Diplomação de João Ernesto Johnny Lehmann (PTB) e José Danilson Alves de Oliveira (PSB), prefeito e vice de Rolândia segue tramitando no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. O feito foi ajuizado pela Coligação Novo Tempo Rolândia, do candidato Fábio Nogaroto, (in memoriam). Hoje, às 12:25, a Procuradoria Regional Eleitoral emitiu Parecer pela procedência do pedido de cassação dos Requeridos. Os autos deverão ser remetidos ao Relator para a elaboração do voto que deverá ser submetido ao Plenário do TRE em breve. MOVIMENTAÇÃO: Face a situação jurídica cada vez mais complicada, a atual administração (nos bastidores) vêm se articulando para o caso de nova eleição. Já na oposição reina a cautela. NOSSA OPINIÃO: As velhas práticas criminosas  (abuso do poder econômico, político, supercabidão de empregos, certidões frias de impostos, licitações fraudulentas, gastos abusivos com propaganda, etc) começaram a ser rechaçadas de Norte a Sul do País! A atuação firme do Ministério Público somada a independência do Poder Judiciário renovam as esperanças de todos! Vamos aguardar...