Google+ Followers

domingo, 29 de dezembro de 2013

Sobre o deslizamento em Rolândia...

Foto: José Carlos Farina;

TRAGÉDIA: Um deslizamento de terra em uma obra do Programa Minha Casa Minha Vida causou sérios danos a imóveis e deixou dois feridos no Jd. Monte Carlo, em Rolândia. 

OPINIÃO: Trata-se de responsabilidade civil solidária da administração municipal, Caixa Econômica e construtora CCP.  Ademais, o imóvel é um Bem de Uso Comum do Povo (Área de Lazer) que foi "doado" por este "governo" para a referida construtora e banco.

PERGUNTAS: Houve a desafetação desta área do domínio público? Os vereadores e o Conselho de Planejamento aprovaram esta doação? Quando e como? A população dos Jardins Monte Carlo I, II, União, Gustavo Giordani e adjacências foram consultadas? 

TOPOGRAFIA: Devido a topografia acidentada da localidade a loteadora (com o aval da Secretaria de Planejamento), à época, reservaram esta área para o lazer da comunidade! Questão de lógica: Se a topografia fosse favorável, já teria sido loteada!

CONCLUSÃO: Ainda bem que as centenas de apartamentos não estavam prontos, pois, neste caso, poderíamos testemunhar uma tragédia bem maior. Minha avó já dizia: O que começa errado, termina errado! Esta obra, nestas condições, não pode continuar!!!

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Polônia proíbe símbolos comunistas e nazistas!

Manifestantes derrubam estátua de Lenin na Ucrânia;

Geórgia, Hungria, Lituânia, Moldávia e mais recentemente a Polônia promulgaram Leis proibindo a exibição de símbolos comunistas (internacional socialismo) e nazistas (nacional socialismo) em vias e logradouros públicos. Os textos legais foram aprovados por ampla maioria nos parlamentos dos ex-satélites da falecida União Soviética.  Fato histórico, as populações destes países vivenciaram os horrores dos regimes totalitários de Hitler e Stálin. Entre 1948 e 1956, a etapa mais dura da repressão comunista, milhões de pessoas perderam a vida, foram presas e enviadas a campos de trabalhos forçados (os gulags) espalhados por toda a cortina de ferro socialista. 

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Mais um ano de trabalho!



TEMPO: Mais um ano se passou - e rápido - como é natural após os 30 anos. Neste sentido, julgo pertinentes as colocações do grande escritor franco-argelino Albert Camus: "Um homem jovem precisa de muita imaginação para acreditar que vá envelhecer. E se não fosse a morte, pouca gente conseguiria acreditar que envelheceu" (A Morte Feliz, p. 131). 

TRANSFORMAÇÕES: Felizmente estou entre aqueles cuja imaginação permite compreender a magia da vida, bem como aceitar o destino integralmente. Sem dúvida, 2013 foi um ano repleto de transformações em nossa vida pessoal e pública. Finalmente (e com alegria) sinto-me mais livre de radicalismos, dogmatismos e paixões políticas. 

TRABALHO: Devido a questões de tempo, uma parte infinitesimal de nosso pensamento e leituras sobre alguns acontecimentos locais e nacionais foram publicados neste Blog e na coluna Fatos & Notas publicada pelo Jornal Manchete do Povo. Sempre procuramos expressar nossas opiniões da maneira mais simples, econômica  e objetiva possível.

OBRIGADO: Gostaria de agradecer a todos os nossos amigos e leitores pela atenção, sugestões e estímulos e a minha família Pâmela, Thomas, Benjamin e Alice pelo valioso tempo subtraído ao vosso convívio! Desejo a todos os nossos leitores abençoadas Festas! Em 2014 seguiremos a linha independente: Jamais serei mero papagaio da versão oficial! 

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

R$ 1,5 trilhão em impostos!!!


Dados do impostômetro revelam que os brasileiros pagaram mais de R$ 1,5 trilhão em impostos em 2013. Em média trabalhamos cinco meses/ano para quitar nossas obrigações tributárias. Após vinte anos de aumento abusivo de impostos, podemos chegar a seguinte conclusão: Aumento de impostos = Piora dos serviços públicos + Aumento da corrupção!

Manifesto do Nada na Terra do Nunca!


LOBÃO: Sua participação na penúltima edição do Programa Roda Viva foi bombástica! O músico, compositor e escritor reiterou que é radicalmente contra ditaduras socialistas ou fascistas (ambas semelhantes) nos quesitos pragmáticos, econômicos e humanitários.

DITADURA: Com efeito, a ditadura militar reforçou a participação do Estado em diversos setores da economia, seja com estatais monopolistas, políticas irresponsáveis de expansão de crédito (via bancos públicos), protecionismo e obras públicas faraônicas... 

RESULTADO: Registre-se que tal receita produziu resultados muito semelhantes aos atuais, em resumo: Primeiramente a euforia do "milagre brasileiro" seguido por desajuste fiscal, aumento da inflação e recessão! Mera coincidência? Claro que não! Fica o alerta.

MANIFESTO do nada na terra do nunca, p. 23: "Num clima de estupidez ideológica, estelionato intelectual ou, simplesmente, suborno, grande parte dos artistas, cineastas, imprensa e intelectuais está nocauteada. Quem ousa tecer um comentário um pouco mais crítico sobre a realidade que nos rodeia acaba sofrendo violências morais e psicológicas, sempre no intuito de eliminar o interlocutor..." Vale a pena conferir o Manifesto!

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Os Saltos do Tamanduá!

Primeiro Salto do Tamanduá

As imediações da Serra dos Agudos são repletas de cenários fantásticos e historicamente importantes para a colonização do Norte do Paraná. A região também é pródiga em saltos (caso dos Tamanduás nas imediações do Morro do Taff, em São Jerônimo da Serra).

Poucos sabem, por exemplo, que o Município de São Jerônimo foi a segunda povoação mais avançada no sertão depois da vila de Tibagi. 
Em 20 de novembro de 1846, os sertanistas Joaquim Francisco Lopes e John Henry Elliott acompanhados por 30 homens chegaram à Serra dos Agudos pelo Rio Tibagi. Do ponto mais alto que atingiram, avistaram dois campos em meio a floresta, um a 28 milhas a nordeste a cerca de 45 quilômetros onde seria o fundado o povoado de São Jerônimo.
Em sentido oposto, o outro campo viria a se chamar Inhô-Ó, onde hoje se localiza o Distrito de Terra Nova e a Fazenda de mesmo nome que dá acesso o Pico Agudo e Serra Chata. Lopes e Elliott tomaram posse de quase todo o nordeste à margem direita do Tibagi em nome do Barão de Antonina.
Considerações históricas aparte, no último final de semana, acompanhado de meu filho Thomas e do primo André, partimos em direção aos imponentes saltos do Tamanduá. O acesso é confuso após o Distrito de Terra Nova, face às várias bifurcações existentes, principalmente na área do Assentamento.

Nos dois quilômetros finais a estrada pode ser percorrida a pé, de motocicleta ou em um veículo 4 x 4. O acesso ao primeiro salto do Tamanduá (por baixo) é tranqüilo: Apenas 500 metros de caminhada pelo leito rochoso do rio.

O cenário é espetacular: São cerca de 100 metros de queda livre em um peral fantástico de arenito. Imediatamente mergulhamos no piscinão e acessamos o sopé da cachoeira onde a água chega a arder em contacto com a pele!

Refrescados e inebriados decidimos acessar o segundo Salto há cerca de 1,5 quilômetro. Nova caminhada tranquila com desfiladeiros e paredões emoldurando o Rio Tibagi no horizonte! Sem dúvida mais uma das incontáveis maravilhas do Norte do Paraná que merecem ser visitadas por todos os amantes da vida ao ar livre!


Segundo Salto do Tamanduá.