Google+ Followers

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Ante e Pós-dilúvio!



1 - Depois das eleições. Volta a rotina! Que ironia! Não aprendemos nada?!
Um dia antes das eleições municipais uma jornalista brasileira, que mora na Alemanha, publicou estar “fortemente preocupada com a política anti-ambiental de sua cidade natal”. O apelo foi em vão, assim como tantos outros gritos de alerta pela degradação ambiental. Parece que o anti-ambientalismo é profundo e geral. No 1º Mundo a degradação ambiental já foi quase completa e no 3º Mundo não têm como frear. Verificamos em nome de um “desenvolvimento” retrocessos graves na proteção do patrimônio ambiental e uma ânsia consumista nunca antes vista do “inútil e fútil”. Meio ambiente virou um simples chavão e o rótulo “sustentabilidade” serve para qualquer negócio. O anti-ambientalismo se mostra na agressão física, acústica, visual e na indiferença entre as pessoas, no individualismo, na crise existencial e no modelo global de comportamento e economia. Analistas prevêem que um colapso é inevitável. Já é tarde para brecar a situação. Mas para a reconstrução do mundo, no pós-colapso, podemos fornecer valiosos elementos, como foi no pós-dilúvio da história da “Arca de Noé”. Com esta visão positiva podemos de novo acreditar no impossível. Unir esforços e, contra toda lógica do momento, realizar e dividir nossas utopias. E, às vezes, nem precisamos inventar muito. A produção orgânica é uma crescente realidade que pode ser aperfeiçoada. Formas alternativas de associação e de troca são de novo experimentadas. O se aproximar dos ciclos da vida não é só mais uma excentricidade. Muitas experiências ganham sustentação científica e econômica. Conhecer, criar e divulgar modelos pode dar uma enorme satisfação pessoal, além de nos tornar mais “humano”.  Volta o divino na vida pelo reconhecimento do que resta do paraíso na Terra. 

2. Reflexão sobre o COMDEMA;

Há muito tempo tenta se, através do Conselho Municipal do Meio Ambiente (COMDEMA), agir contra o anti-ambientalismo em Rolândia. Num ambiente de desigualdade, porém a luta é injusta, perigosa e sem sucesso. Por melhor que situações para salvar ou proteger o meio ambiente são esclarecidas, no desequilíbrio de forças o lado anti-ambientalista ganha. “Democracia não é a ditadura da maioria” segundo o filósofo Edgar Morin. Portanto, um conselho não é democrático se deixa de oferecer possibilidades de ganho de causa a uma minoria. Participar de um órgão que se denomina “democrático” passa a ser irresponsável, pois as minorias simplesmente servem para legitimar os atos da maioria. Peço, portanto que os membros do Conselho considerem esta colocação para que possamos discutir qual é o melhor caminho de sermos realmente um conselho e não meramente massa de manobra do sistema. Daniel Steidle, Rolândia, 09-10-12.

Nenhum comentário:

Postar um comentário