Google+ Followers

quarta-feira, 29 de abril de 2015

A quem interessa o confronto?


Milhões protestaram pacificamente em todo o Brasil nos dias 15 de Março e 12 de Abril. A pauta foi o Impeachment do desgoverno mais corrupto, medíocre e incompetente de nossa História. Não houve quaisquer incidentes. Nenhuma prisão foi registrada. Nenhum confronto com a PM, atos de vandalismo, depredações ou mesmo invasão da Assembléia Legislativa. Cenário bem diferente dos atos e protestos organizados pelo MST, CUT, APP, PT e MTST. Manifestações pacíficas não geram retaliações. A quem interessa o confronto?

3 comentários:

  1. Comentário de meu Nobre Irmão Filipe Sacca (via Facebook) sobre esta questão: Nobre Farina, depois do ato lamentável que ocorreu ontem em Curitiba estive refletindo: Ainda não tive a oportunidade de ler o projeto de lei que foi aprovado pela ALEP, mas segundo noticias em vários sites trata-se da migração de 33 mil aposentados de um fundo previdenciário para outro... Corrija-me se estiver errado: Se a medida é economicamente correta ou não é algo que leva mais tempo para se estudar, mas num olhar mais cuidadoso e ponderado, me parece desproporcional os protestos ocorridos na ALEP com tentativa de nova invasão. Refletindo melhor sobre o assunto usando a razão e não a emoção, me parece que na verdade os professores da rede estadual são vítimas maiores do próprio sindicato, que os usa como massa de manobra para fins políticos.

    ResponderExcluir
  2. Comentário de nosso amigo Marcel Ferreira (via Facebook): Como sempre, os pobres professores que pagam por isso, pior é que a líder do movimento é uma professora ligada ao PT que foi candidata ao legislativo pelo mesmo. Cai por terra todas as reinvidicaçoes mesmo sendo legítimas. Essa guerra Psdb e Pt só traz malefícios a nação.

    ResponderExcluir
  3. Filipe Sacca, (via facebook): Em uma primeira análise parece que as reformas no Parana Previdencia atingem apenas os professores. Mas não. Envolve todo o funcionalismo público do estado, inclusive funcionários da receita estadual, do judiciário, ministério público (magistrados e promotores de justiça também seriam afetados) por esta alteração previdenciária. Diante disso é cabível alguns questionamentos: 1)- Por que razão a associação dos magistrados e a associação do ministério público sequer se manifestaram de forma veemente contra o projeto de lei? 2)- Por que entre todas as entidades de classe do funcionalismo estadual apenas o sindicato dos professores agiu de forma mais contundente e agressiva contra o governo? Me parece que há um forte viés político por trás disso... Não gosto de teorias conspiratórias, mas isso torna pertinente a indagação do Paulo Farina: "a quem interessa o conflito?" Gostaria de estar enganado, mas chego a acreditar que o sindicato utilizou os professores como "bois de piranha" para apanhar da polícia e desgastar um governo rival perante a opinião pública... No final das contas fica cada vez mais evidente que tudo não passa de um jogo político...

    ResponderExcluir